Psicologia & Psicanálise

 

 

 

Êrika Juchem Goelzer  -  CRP 07/14201

 

 

 

Mestrado em psicologia - PUCRS

Especialização em Psicologia Clínica - UFRGS

Profissional pós-graduada com ampla experiência em psicologia

Sólidos conhecimentos em Psicologia Organizacional, com experiência em empresas particulares e públicas

Qualificação em orientação profissional e avaliação psicológica

Experiência em psicologia da saúde prática em dependência química

Atuação especializada em Atendimento Clínico e Psicanalítico com crianças, adolescente, adultos e idosos

 

Mas afinal por que a psicanálise?

A modernidade tem uma série de vantagens. Novas tecnologias aparecem, em uma velocidade sem precedentes, para facilitar e qualificar a vida. Porém, a atualidade também trouxe consigo uma série de exigências relativamente novas na história da humanidade. Padecimentos como a fobia social, o pânico, a anorexia, a bulimia, as toxicomanias, as disposições depressivas, as psicossomatizações, dentre outras, ganham espaço progressivo na cena social atual.
Sigmund Freud, médico neurologista, dotado de um espírito inquieto, procurava entender mais a respeito do ser humano e de seus conflitos. Uniu-se a importantes médicos estudiosos da época e a partir dos estudos acerca dos sonhos descobriu e desenvolveu o conceito de Inconsciente. Ele percebeu que havia “conteúdos” que ficavam separados da consciência, pois não podiam ser pensados. E que, além de determinarem todas as nossas vivências e comportamentos, expressavam-se disfarçadamente através dos sonhos e pela via dos sintomas.
Freud demonstrou que o homem age em função do Inconsciente sobre o qual não tem o mínimo conhecimento ou controle, e que o “eu”, muitas vezes, está subordinado a mais pura essência de seu ser. Quem já não se perguntou “por que isso sempre acontece comigo?” ou “por que eu sou assim?”. É disto que se trata a Psicanálise.
A Psicanálise de Freud não nos condena ao inconsciente. Ao contrário, estimula cada ser humano a pensar-se, a descobrir a verdadeira razão de suas ações. Numa era onde todas as emoções e frustrações são combatidas artificialmente através de medicações, a Psicanálise oferece um processo de investigação único e pessoal a cada um, sem reduzir o sujeito a um elemento biológico. Cada “eu” é convidado descobrir as origens de suas condutas e emoções, em um espaço de fala e produção de sentidos a respeito da vida.
O analista, ao escutar o que a maioria das pessoas é ensinada a não ouvir, ajuda o paciente a descobrir seus desejos e criar suas próprias escolhas na medida que ele vai conhecendo sua verdade singular, em um mergulho interno, identificando os seus próprios valores, os seus sentimentos. É um tratamento que visa ajudar o que o paciente se responsabilize por suas escolhas na existência, pois cada um de nós é, em última instância o responsável único por nosso atos e pelo modo como levamos e conduzimos nossa vida.
A travessia psicanalítica requer tempo, paciência e determinação para entrar em contato consigo e com o desconhecido mundo do inconsciente. As mudanças vão acontecendo na medida que o analisando vai se conhecendo, aprendendo a observar seu funcionamento, lidando melhor com suas emoções e ficando mais confiante em si mesmo.